segunda-feira, 20 de maio de 2013

O Sacramento do Matrimónio

Quando começa a primavera, também começam a intensificar-se as celebrações de casamentos na nossa Paróquia. É sempre uma grande alegria esse dia para os noivos. Muitos deles fazem a preparação para o casamento na nossa Paróquia.

Nestes últimos anos sou eu a organizar esta preparação (CPM, ou seja curso de preparação para o casamento) e tem sempre sido uma experiência muito positiva para os noivos. (feedback que recebo) A razão deve-se ao fato que quem dá testemunho, nestes encontros, são casais com pelo menos dez anos de casamento e com filhos. Isto torna o curso muito interessante porque os noivos ouvem experiências de vida reais e com muitos exemplos. As verdades que os casais partilham são fruto da sua experiencia.

Gostaria de partilhar convosco alguns destes testemunhos dados aos nestes CPM’s ao longo destes anos:

Nuno e Patrícia uma vez falaram do tema: O amor constrói-se todos os dias.
Com exemplos falavam da importância de momentos de reconciliação permanentes.
O casamento não pode ser como um tribunal em que cada um tem as suas verdades para defender. Não se trata de ganhar discussões, mas de dialogar tentando entrar no ponto de vista do outro.
Também diziam, que no casamento Deus pôs um ao outro no mesmo caminho, portanto é importante ficarem juntos apesar de não perceberem tudo.

Miguel e Ana falaram uma vez sobre o tema: As dificuldades do casamento.
Deram exemplos de como as dificuldades podem desgastar. O critério que eles utilizam e que os ajudou muito é este: “A imaginação de como deve ser, mata a experiência”. Isto quer dizer que ficar cada um com as ideias que têm pode ser perigoso, o que é importante é estar atentos ao que acontece, à experiencia.
Uma outra frase que fixei foi esta: “O casamento tem o sacrifício da generosidade”. Ou seja é preciso dar mais do que se receber, dar sem cobrar.
Por fim diziam: “Fomos dados um ao outro para uma vida inteira. Tudo o que acontece é para a nossa felicidade. As dificuldades, portanto não são um obstáculo a uma vida grande e feliz”.

Federico e Sabrina falaram sobre o tema: A fecundidade do casamento.
Claramente este tema tem a ver com os filhos e a sua educação. Eles têm quatro filhos. Diziam que os filhos crescem muito olhando para os pais e isto força os pais a mudar. É preciso amar os filhos assim como são para eles crescerem e aprenderem a amar. A paciência para com os filhos ensina-lhes a perdoar. É preciso acolher para os filhos aprenderem a acolher.

Ana e Nuno falaram sobre o tema: o Sacramento do Matrimónio.
Para falar deste tema começaram dizendo que o casamento é uma vocação. O casamento, a família são sinais do amor de Deus. A consciência que o outro é sinal de Deus cresce com o tempo.
Falaram sobretudo da fidelidade um ao outro. De acordo com o rito do Sacramento, esta é prometida entre os esposos: “Vós que seguis o caminho do Matrimónio, estais decididos a amar-vos e a respeitar-vos, ao longo de toda a vossa vida?”.
Fidelidade quer dizer também indissolubilidade: o casamento é para sempre. Só assim o outro pode ser o sinal do amor fiel de Deus.

São de facto estes os quatro temas sobre os quais os casais falam e dão o seu testemunho. No fim do curso, os noivos ficam sempre com a impressão que o matrimónio é uma vocação exigente, mas capaz de realizar a vida dos dois.

Pe. Raffaele Cossa 
Domingo Pentecostes