quarta-feira, 1 de maio de 2013

PARABÉNS IGREJA DOS PASTORINHOS



No dia 1 de Maio, cumpre oito anos a Igreja dos Pastorinhos, obra que tenho acompanhado desde a sua construção. Cheguei como Diácono a estas Paróquias que só desde há 3 anos administro como Pároco. Sempre temos vivido e partilhado esta responsabilidade na comunidade dos sacerdotes da Fraternidade de são Carlos Borromeu e com todo o Povo de Deus. Porque esta Igreja, como a Igreja do Divino Espírito Santo do Sobralinho, são de todos (não de um padre ou outro), e ficarão para sempre como património destas Paróquias.

Como digo, a Igreja dos Pastorinhos está confiada, desde a sua construção, a uma comunidade de sacerdotes. Há um Pároco, responsável último, mas vivemos juntos e sempre partilhamos caminhos, preocupações, alegrias... Como o Francisco, a Jacinta e a Lúcia, que juntos se encorajavam e se ajudavam a ser fiéis à missão que receberam, também nós, que neste momento somos uma comunidade de quatro sacerdotes, procuramos essa luz que vem da comunhão.

Inúmeras pessoas testemunham esta amizade habitualmente e de muitas maneiras. Não são só os paroquianos, as crianças da catequese, os jovens dos nossos grupos, os idosos dos lares e os necessitados a quem damos apoio através do Centro Social. São também muitas pessoas pelo País inteiro que sentem nesta Igreja dos Pastorinhos uma sua casa e companhia: «alguém que olha por si.»
Ficamos comovidos com muitas pessoas de boa vontade, que nos testemunham com esforços e sacrifícios a importância desta companhia e comunhão. Cada dádiva é recebida com esta consciência; daí a gratidão, a alegria, e também o compromisso de corresponder com as nossas orações, a responsabilidade com a nossa missão.

Esta amizade e proximidade que tantas pessoas testemunham é, seguramente, fundamental para vencer os medos e as inseguranças. Os quatro sacerdotes que trabalham na Igreja dos Pastorinhos, como quase todos, têm uma vasta missão: foram-nos confiadas 3 paróquias, colaboramos numa escola, temos um Centro Social, temos responsabilidade em associações culturais e juvenis... Mas, unidos, nesta comunhão e amizade, sabemos que recuperamos forças para avançar.

E são os pequenos milagres do dia-a-dia que nos fazem acreditar. Que gratidão!

Convido todos a confiar aos Bem-aventurados Francisco e Jacinta, na sua pobreza e simplicidade, os próprios medos e dificuldades: eles hão-de interceder por nós diante de Deus!

P. Luis Miguel Hernández